Christiane Torloni comenta sucesso de Tereza Cristina em ‘Fina Estampa’: ‘Não tinha limite, nem pudor’

142
Foto: Alex Carvalho/Globo

Não é só o público que está radiante com o retorno de Fina Estampa e seus personagens inesquecíveis à TV. Vilã da novela assinada por Aguinaldo Silva e protagonizada por Lilia Cabral, Christiane Torloni falou sobre a possibilidade de matar a saudade de Tereza Cristina a partir da próxima segunda-feira, 23/3, no horário das 9, e sobre importância da personagem em sua carreira:

“Eu fiquei superfeliz com a edição especial da novela! É um dos textos mais divertidos que eu já fiz. A Tereza Cristina era aquela vilã adorável que as pessoas amavam odiar. Foi uma personagem que me trouxe uma enorme alegria”.

“As personagens trazem para nós atores revelações de coisas que nem sabíamos que tínhamos dentro de nós. A Tereza Cristina é uma personagem que não limites, não tem pudor. Eu, na minha vida pessoal sou mais discreta, em todos os sentidos”.

Na trama, a rival de Griselda (Lilia Cabral) é uma socialite, herdeira da fortuna dos pais, preocupada em manter o nome e honra da família. Casada com o chef Renê (Dalton Vigh), a extravagante perua ocupa seu tempo com as mais requintadas formas de gastar dinheiro e não vive sem seu mordomo Crô (Marcelo Serrado).

“Foi adorável fazer uma mulher exuberante nas cores, por exemplo. O figurino era espetacular. A Tereza Cristina é uma personagem muito solar e bela. A escolha do cabelo da personagem foi uma oportunidade de poder transitar para um lugar mais livre esteticamente”.

Christiane contou que a primeira coisa que faz quando termina um trabalho é mudar o cabelo, mas que após Fina Estampa decidiu manter algumas coisas que Tereza Cristina a “emprestou” como, por exemplo, o guarda-roupa colorido:

“Eu continuei com o cabelo comprido e com tons mais claros. Também usei cores mais vibrantes no meu figurino. É natural que você deixe o personagem ir, senão vira aquele ator de um personagem só. Mas tem uma hora que é bom guardar algumas características, algumas cores e adereços dos personagens”.


Outro prazer vivido pela atriz durante a novela foi transitar pela comédia, gênero que a veterana experimentou em novelas como A Gata Comeu, Elas Por Elas e O Tempo Não Para. “Eu adoro! Fazer parte dessa novela foi uma oportunidade muito boa. O núcleo da Tereza Cristina e do Crô tinha um requinte de direção muito especial do Wolf Maya, que é craque em comédia”, analisou.

Para Christiane, o humor foi o ponto fundamental para que a vilã caísse nas graças do público e explica a legião de fãs que Tereza Cristina coleciona até hoje: “Eles tinham uma carga de vilania, ficavam adoravelmente maus, mas com uma certa leveza. Isso dava para o público um outro tipo de apreciação dos personagens. Não faziam parte de uma realidade cruel em que as pessoas só fazem coisas horríveis de forma pesada. Acredito que essa dualidade tenha sido responsável pelo sucesso que a dupla fez”.

Desde que foi anunciada a edição especial da novela, a atriz tem recebido inúmeras mensagens do público, de amigos e familiares celebrando o retorno da trama exibida originalmente em 2011.

“A novela foi exibida há oito anos, e seus personagens ainda são muito queridos do público (…) O público brasileiro é fiel. Eles gostam de matar a saudade dos seus personagens queridos”.


“Eu sempre tenho um retorno muito forte das novelas que são exibidas novamente. Eu recebo um enorme carinho das pessoas dizendo que quando assistem às novelas novamente estão matando a saudade dos personagens”.